Condomínio Brasil 21 é condenado por assédio moral contra empregada com deficiência


imagem20151106071149_thumb

 

Uma auxiliar de governança com deficiência no braço esquerdo, que trabalhava no Condomínio Brasil 21, em Brasília, receberá R$ 7.621,52 de indenização por danos morais. A trabalhadora possui apenas a parte do braço entre o cotovelo e o ombro, e, em razão disso, foi vítima de assédio moral por parte de sua chefia imediata, que a humilhava e fazia comentários inapropriados sobre sua deficiência na frente dos demais empregados. A decisão foi do juiz titular da 14ª Vara do Trabalho de Brasília, Erasmo Messias de Moura Fé.

De acordo com os autos, o Condomínio Brasil 21 alegou em sua defesa que não praticou nenhum ato capaz de gerar dano à trabalhadora e ainda sustentou que a empregada não teria sofrido dor íntima e constrangimento decorrente de suposto assédio, já que somente ajuizou a reclamação trabalhista um ano e seis meses após sua demissão, tendo suportado trabalhar nessas condições durante oito meses. Para o magistrado responsável pela decisão, entretanto, a prova testemunhal demonstrou a ocorrência do assédio.

Segundo o juiz Erasmo Messias de Moura Fé, o que aconteceu com a trabalhadora foi “no mínimo um desrespeito à sua dignidade”. A chefia imediata utilizava a deficiência da empregada para fazer comparação “totalmente despropositada e descabida, senão humilhante”, pontuou. “Ou seja, além das limitações que a vida impôs à autora em razão de sua deficiência física, ainda era motivo de piadas, brincadeiras de mau gosto, chacotas, risos”, concluiu o magistrado.

A indenização foi arbitrada considerando o elevado porte da empresa e o grau das ofensas, mas também o tempo de repetição dessa conduta e a atitude da direção da empresa ao tomar conhecimento dos fatos. No processo, ficou comprovado que quando a trabalhadora levou o caso ao conhecimento dos escalões superiores do Condomínio Brasil 21, foram tomadas medidas para coibir o assédio moral. O valor da indenização (R$ 7.621,52) é equivalente a oito salários da empregada autora da ação.

O Seicon-DF incentiva os trabalhadores a denunciarem qualquer tipo de assédio e ofensa que venham a sofrem nos condomínios em que são funcionários, pois o sindicato apoia e sempre apoiará os trabalhadores com auxílio de advogados para lutarem por seus direitos trabalhistas.

Não fique calado trabalhador!!Denuncie!!

 

 

Fonte: TRT da 10ª Região

Comentários

  • Total Score 0%
User rating: 0.00% ( 0
votes )



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>